Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Célia Correia Loureiro

Sobre a vida, em dias de chuva, de fascínio ou de indignação!

05
Mai24

Marraquexe - Parte III


celiacloureiro

Termino este relato a viagem mais fora da caixa que fiz até hoje nesta parte III, para descanso dos interessados e alívio de quem se deixa incomodar por aquilo que os outros publicam a respeito da sua vida nas suas próprias plataformas.

Imagem WhatsApp 2024-05-05 às 15.35.46_601d20a9.j

Os últimos dois dias foram dias de repisar o mercado, que já conhecíamos, a Medina e as lojas de souvenirs. Fomos até à avenida Mohammed V, onde havia restaurantes mais "modernos" (isto é, ocidentalizados), onde pedimos menu de pequeno-almoço. Uma vez mais, o menu de pequeno-almoço trazia uma grande variedade de comida para experimentar, alguma menos local (como ovos mexidos ou torradas com abacate), mas também traz especialidades como as saladas marroquinas e os clássicos incontornáveis franceses, como croissants e crepes. Acabou por ser uma ótima opção em termos de custo-benefício, experimentámos coisas diferentes e sobrou sempre imensa comida. 

hqdefault.jpg

Neste ponto, vale a pena refletir resumidamente na influência francesa em Marrocos, que terá tido início na primeira metade do século XIX, quando França, já depois das tentativas de expansão napoleónicas, voltou a focar-se no potencial valor da sua presença no Norte de África. No entanto, foi apenas em 1912 que o Tratado de Fez constituiu Marrocos como um protetorado francês, sendo que o país mantinha a sua soberania, mas França podia fundar cidades, criar feitorias e portos e, portanto, ter mão ativa na exploração económica do território. Em troca, oferecia proteção militar a Marrocos e tornavam-se assim aliados numa época de grande convulsão a nível mundial (a Primeira Guerra Mundial estava prestes a eclodir). Essa influência, que surge tão bem retratada no filme Casablanca, de 1942, permaneceu no território do atual reino de Marrocos até 1956, altura em que o país se tornou independente. Arrepio-me sempre na cena em que os convivas elevam a voz para cantar La Marseilleise no bar da personagem principal e abafam completamente o hino alemão e concluem com gritos de Vive la France! Vive la démocracie! Não esquecer que a Alemanha ocupou a França na Segunda Guerra Mundial, e, consequentemente, estendeu as suas garras até Marrocos. Tudo muito relativo, porque a própria França já dominava, em grande medida, um território que ansiava por autonomia.

Imagem WhatsApp 2024-05-05 às 15.35.34_101e5cba.j

Uma das coisas mais especiais que testemunhei nesse penúltimo dia em Marraquexe, foi a forma como toda a população se moveu em uníssono quando o sol se pôs e bateram as sete horas da tarde. Com o Ramadão, estão moralmente impedidos de comer ou beber até essa hora. Assim, e embora andássemos à procura de lembranças para trazer para casa, vimos o mercado e as ruas adjacentes a transformarem-se numa grande família. Surgiram bancos e almofadas no meio da rua, chaleiras, copos de vidro, por toda a parte fumegava o chá de menta e abriam tajijes, partiam pão, sentavam-se em círculo. Alguns barricavam as entradas das lojas com caixotes e mercadorias, e sentavam-se no interior a partilhar a primeira refeição do dia. Achei uma bela demonstração da cultura local, confesso que me senti um pouco comovida. É curioso como tanto da vida desse povo é vivida a céu aberto, em público. Pareceu-me que há muita camaradagem e entreajuda, mas também testemunhei discussões acesas cujo sentido, por serem conduzidas em árabe, me escapou. Não vi mulheres nesses círculos de convívio, provavelmente, estariam em casa a cuidar das crianças e do lar - não julgo, é o estilo de vida deles, a organização social que funciona para eles. Quem sou eu para os borrifar com os meus princípios ocidentais?

Vi muitas mulheres a conduzirem motas, e homens com os filhos em marsúpios ou simplesmente ao colo. Fiquei com a impressão de que as crianças são muito estimadas na cultura islâmica. No entanto, reafirmo que me incomodou ver meninas de seis ou sete anos a vender pacotes de lenços na rua, com as mães a alguns passos. Fiquei com a impressão de que não há CPCJ atenta, como não há proteção de animais. São coisas que haverão de surgir conforme a mentalidade do povo evoluir - assumindo que será nesse sentido.

Em suma, é preciso ter um bocadinho de estofo para percorrer aquelas ruas, testemunhar alguma miséria, mas também desordem, ferocidade, vitalidade e alegria, e o melhor é deixarmos a sensibilidade em casa. O melhor é não olharmos nem pararmos em cada bancada, se sabemos que não temos espaço para levar candeeiros de tecto, é de evitar esse bate-boca com o vendedor. Eles vão tentar vender - terá sido assim a sua vida toda, é o seu meio de subsistência e estão bem cientes de que o nosso olho ocidental não sabe para onde se virar no meio de tanto exotismo, e que os nossos bolsos carregados de dirhams se abrem com facilidade sempre que nos fazem um desconto simpático. Não estamos habituados a confronto. Não estamos habituados a usar as mãos e os olhos e a postura corporal para enfrentarmos vendedores e lutarmos pelo produto que cobiçamos. Não temos o costume de assumir que o preço pode ser outra coisa que não aquilo que o vendedor definiu. Saí de Marraquexe pronta a regatear, é uma skill menosprezada que já me deu jeito numa noite de dança, quando o senhor das rosas veio vender cada uma a 2€. Arrebatei-lhe 3 por 5€, eheh!

Fiquei com muita curiosidade de conhecer outros destinos em Marrocos, que me parece uma excelente porta para o mundo islâmico. Faltou-nos o deserto "a sério", o vale de Ourika, Casablanca e Fez, onde tenho a certeza que um dia haverei de ir aportar. 

No regresso, obrigaram-nos a imprimir os cartões de embarque (tinhamos indicação de que o aeroporto não aceita bilhetes eletrónicos). Fizeram-nos suportar a fila para o balcão de check-in da Ryanair durante mais de uma hora porque só passamos no controlo para as portas de embarque se tivermos os cartões carimbados pela compainha aérea. É uma oportunidade para controlarem as malas - fizeram-nos encaixar as mochilas nos expositores das dimensões das malas de cabine, muita gente abriu malas e redestribuiu o peso pelos companheiros de viagem. De salientar que a maioria das pessoas naquela fila de regresso à Europa tinha ténis novinhos em folha nos pés - as contrafações a que foi tão difícil resistir e que permitiu que se regressasse com All Star ou Adidas Samba por 25-30€. Pessoalmente, não comprei nenhuns ténis - não teria espaço para isso -, mas foi curioso ver como somos todos tão iguais. 

Uma vez o cartão de embarque carimbado (e ressalvo: a fila demorou mais de uma hora a andar), corremos para o controlo de passaportes, onde ficámos mais uma hora. Duas horas depois, chegámos à sala de embarque a 20 minutos da partida do voo, sem conseguir imaginar como as dezenas de pessoas que ficaram atrás de nós na fila para o balcão de check-in e para o controlo de passaportes se haveriam de safar. A verdade é que, a poucos minutos da partida do voo, começaram a apressar-nos para o interior da aeronave, controlando os nossos passaportes e os cartões de embarque carimbados, e mal sentámos os rabiosques nos assentos já o avião estava a recuar para se lançar aos céus. Foi um último pôr do sol em África. Para trás ficou a areia, o vento e as palmeiras.

Comigo, veio a vontade de regressar. Um dia, quem sabe.

Maktub.

 

Dicas práticas:

- Documentos: Passaporte com pelo menos 6 meses de validade;

- Dinheiro: Teria solicitado dirhams no meu banco com umas duas semanas de antecedência, porque haverá comissão de mínimo 5% do valor levantado no multibancos em Marrocos;

- Tomada elétrica: Igual à europeia;

- Há quem diga que convém levar probióticos e antidiarreicos, no meu grupo ninguém passou mal (eu passei, mas já ia doente daqui). Nos meses de verão, consta que há mosquitos, talvez levar repelente;

- Levar os cartões de embarque impressos;

- Apresentação no aeroporto para o regresso pelo menos 3 horas antes (fila no balcão de check-in e fila no controlo de passaportes);

- Comprar antecipadamente uma mala de cabine vazia para trazer as maravilhas que vendem por lá (a própria mala compraria por lá, ao desbarato);

- Levar protetor solar;

- Marcar todos os serviços possíveis antecipadamente - transfers, tours, hotel (é provável que queiram o pagamento em dinheiro);

- Comprar por lá um cartão com dados móveis (o meu telemóvel esteve 10 minutos, sem exagero, com o roaming ligado. A conta foi de 20,00€).

- Desligar a cabeça.

- Aproveitar.

 

 

 

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D