Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Célia Correia Loureiro

Sobre a vida, em dias de chuva, de fascínio ou de indignação!

10
Ago20

O velho e o cão


celiacloureiro

Enquanto lia "A Morte de um Apicultor", que não é um livro que me tenha apaixonado por aí além, vieram-me vários pensamentos à ideia. Quando o livro é vago nas mensagens, o cérebro põe-se a divagar para procurar significados mais profundos naquilo que vê impresso. Não me saía uma imagem da idade: a do senhor A., tolhido pelo Parkinson, no pátio da sua casa, com o focinho da cadela entre as mãos. Pedia-lhe perdão por não ter podido passeá-la nesse dia, e pedia-lhe também perdão por saber que no dia seguinte estaria ausente e também não poderia levá-la a esticar as pernas. A Luna, como qualquer cão fiel, sacudiu a cauda e olhou-o com adoração. Mas a cena ficou-me: o senhor A. desiquilibra-se constantemente, e sente necessidade de pedir perdão ao cão por não poder passeá-lo. Eu pensava nisso, e também tentava discernir o nome das árvores ao meu redor, que começaram a derramar a folhagem sobre o Dão. Passei o dia com os pés descalços sobre os blocos de granito, a equilibrar-me no topo da levada e a atirar seixos lisos sobre a superfície das águas. O máximo que consegui foram quatro pulos antes de a pedra se afundar. Há tanta paz aqui... Porém, a data de regresso está estipulada. Com ela, a necessidade de procurar rumos mais definitivos. 

Fomos passear a Luna. Levámo-la pela estrada principal, passámos por roseiras, pereiras, figueiras, laranjeiras, limoeiros, macieiras. Há árvores de tudo nesta terra, uma riqueza nunca vista. O meu sobrinho diz que, quando crescer, quer uma casa com horta para não ter de comprar legumes nem fruta. E, a guardá-la, um husky, um pitbull e um rottweiler. Pergunta-me qual é o cão mais inteligente, e eu digo-lhe que é o rafeiro. 

Tento ensinar-lhe a ser bom, que força não é sinónimo de brusquidão. Ele é um miúdo sensível, que está quase (quase) a abandonar a infância. Em breve vai inibir-se perante a ideia de se ajoelhar para acariciar um cão. Em breve os sentimentos vão ficar ainda mais fechados dentro dele, e os motivos das suas lágrimas, dos seus desgostos, ficarão encerrados nele sem que ninguém lhes tenha acesso.

Hoje, no café, perguntaram-me "Trinta e quantos?".

Caramba, será que, de repente, já aparento ter os 30?

Tempo maldito, sempre a voar, sempre a mastigar-nos.

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D